sábado, 10 de dezembro de 2016

É HORA DE MUDANÇA

Com o novo comandante começa a época mais chata do ano: a de especulações. Mesmo sendo chata, é importante e definirá a formação do elenco de 2017.
É hora de falar de alguns nomes, as dificuldades nas contratações e as necessidades do time. Roger Machado, treinador alvinegro, já está trabalhando na formação e planejamento da equipe.

O setor defensivo sofreu muito nesse ano de 2016 e deverá ter maior atenção nas contratações. Por isso são mais opções para essa área. Vamos a algumas listas:

Jogadores que podem deixar o clube



O primeiro a deixar o clube foi o zagueiro Ed Carlos. Jogador que pouco contribuiu este ano para o time, mas que sempre foi muito bom para o grupo. O fato marcante de sua passagem foi o gol nas quartas de final contra o Corinthians, gol esse que deu a classificação ao Galo. Tem meu respeito pelo profissional que é, que tenha sorte em sua caminhada.




O próximo a se despedir deve ser o também zagueiro Ronaldo Conceição, esse não sabemos nem porque veio. Na mesma toada do anterior, Carlos Eduardo também não explicou a que veio. Contudo, ele não deve deixar o time de imediato. Tem contrato até o fim de 2017, mas eu gostaria muito que acompanhasse aos citados anteriormente.
Patric seria uma opção minha de venda, fez poucos jogos no ano e foi mal em quase todos. Pode ter chance de titular em várias equipes brasileiras.



Jogadores para empréstimo


Leonan: O jovem lateral tem qualidade, contudo ainda falta maturidade e rodagem. Um empréstimo faria bem.
Hyuri: Outro jovem que não se encaixou ao Galo e também poderia ser emprestado ou até mesmo 
vendido, caso tenha propostas.
Lucas Cândido e Uilson são promessas da base alvinegra, que precisam de mais confiança para render melhor em campo. Um empréstimo onde os mesmo sejam titulares nos clubes, seria importantíssimo.

Jogadores que retornam de empréstimo


Rafael Moura: deverá ser aproveitado. Principalmente com a eminente venda de Lucas Pratto.
Dodô também pode vir a ter chances, pois os dois meias do atual elenco são frequentemente convocados para suas seleções.
Os demais emprestados devem ser emprestados novamente.


Renovações



Leo Silva, o maior zagueiro da história do Galo renovou por mais um ano e já tem o pós-carreira pensado pela diretoria.
Donizete, o General já tem conversas com Maluf para renovação.
Jr. Urso, Galo tenta renovar o empréstimo, mas não sendo possível deverá exercer o direito de compra e manterá o volante.
Otero, tem empréstimo até o meio do ano e diretoria já tem interesse na aquisição do meia.
O goleiro Giovanni deverá ter seu contrato renovado, pelo menos por mais uma temporada, o arqueiro tem a confiança da diretoria.





Contratações

Posição x Posição

Goleiros

Renovando com o Giovanni o Galo não deverá contratar para essa função. São Victor titular absoluto e terminando o ano com boas atuações e Giovanni reserva seguro, deixa-nos tranquilos. Ainda sim, eu pensaria na contratação de Elias do Juventude, pouca idade e bastante promissor.

Laterais

Na lateral direita, manteria o Carlos César como primeira opção no banco e o Rocha se mantém absoluto. Ainda como opção teria Alex, jovem com potencial.

Já na lateral esquerda, considerando empréstimo de Leonan contrataria um lateral. Opções:
Maxwuell: Contrato até Julho de 2017, pode ser uma tentativa apesar de possivelmente ser muito caro.

Jr. Cesár: Desempregado, seria uma opção sem custos. Lateral campeão da Libertadores 2013.

Renê: Revelação do Sport, jovem tem muita qualidade ofensiva.

Zagueiros

Léo Silva garantido, Gabriel e Jesiel nomes que compõe elenco. Erazo com contrato em vigor, mas se aparecer proposta deveria vender. Vejo a necessidade de duas contratações, um para ser titular e outro para reserva. Nomes para a posição:





Luccas Claro: Fez um bom campeonato ao lado de Juninho no Coritiba e tem contrato se encerrando em 2016, pode vir sem custos.

Juninho: Um dos melhores do campeonato. Um dos líderes em roubadas de bola. Zagueiro forte e equilibrado.

Com contrato longo, até 2019, muito difícil a contratação, mas seria um bom investimento.

Carli: Bom campeonato pelo Botafogo, seguro e vive seu melhor momento na carreira.

Manoel: O melhor zagueiro do CEC, no meio do ano teve conversas com Galo, mas com a troca de treinador assumiu a titularidade e dificilmente sairá, tem vinculo até 2018.

Bruno Rodrigo: Companheiro de Manoel na zaga, terá seu contrato encerrado em dezembro e não deve renovar. São fortes os rumores de acerto com o Galo. O fato de vir sem custos é positivo e sua qualidade na bola aérea também.



Cléber: Zagueiro brasileiro que estava no Hamburgo desperta interesse atleticano e tem nome aprovado por Roger, porem tem a concorrência fortíssima do Santos. Esse chegaria para ser titular.







Martin Cáceres: Saiu da Juve recentemente, ótimo zagueiro. Outro nome para ser titular, mas os salários altos podem dificultar acerto. Por jogar na Europa a tão pouco tempo, deverá ter assedio de vários clubes. Vale uma tentativa.







Felipe Aguilar: Zagueiro do Atlético Nacional teve um belo ano. Campeão da Libertadores e finalista da Sulamericana. Por não ser titular, pode ser mais fácil a sua aquisição.


Volantes

Com certeza o setor mais criticado do atual elenco. Carioca não teve um bom ano, Jr. Urso não convenceu e Donizete não conseguiu tomar conta de tudo sozinho. Mesmo assim, os três deverão ser mantidos. Precisamos ainda de dois bons nomes para fortalecer o elenco. Algumas opções:

Felipe Melo: Sem espaço na Inter, rumores dizem que deve ser dispensado em Janeiro. Jogador de pegada, estilo pitibul, contudo os altos salários estão fora da realidade nacional. Caso se confirme a saída do clube italiano, vale a tentativa.

Rithely: Tem sido um dos jogadores mais assediados do Sport, tem contrato até o fim de 2018. Porém uma boa proposta é possível de abrir negociações e até uma troca envolvendo nomes como Carlos Eduardo e Hyuri poderiam ser bem vista pelos Pernambucanos, alem do valor em dinheiro.

Rodrigo Dourado: Um bom volante, campeão olímpico, alto e veloz. Pós queda colorada pode ser um bom investimento.

Alguns volantes brasileiros que já estão na europa a um tempo e poderiam valer investimento são: Lucas Leiva, Sandro e Rômulo.


Tem alguns nomes que seriam muito bem-vindos, mas devido a estabilidade nos clubes atuais e duração de contrato seriam praticamente impossíveis, mas nunca é demais citar: Maicon (Grêmio), Renato (Santos), Hudson (São Paulo) e Otávio (Atlético Pr.).



Meias

Efetuando a compra de Otero, ainda acho importante outro meia, pois tanto Otero, quanto Cazares são convocados com frequência.

Allan Patrick: Meia emprestado pelo Shaktar ao Flamengo, tem vinculo com o time ucraniano até fim de 2017. Compra difícil, mas um bom jogador, rápido e de boa finalização. Pode ser um bom investimento.

Valdívia: Com a eminente queda do Internacional para a serie B, alguns jogadores podem sair em busca de vitrine e disputa de campeonatos melhores. Com isso, Valdivia pode ser um bom investimento.

Atacantes

Com a eminente venda de Pratto podemos ter a chegada de dois atacantes, um de composição de Elenco e um para reposição.

Rafael Moura para compor e Tardelli como reposição perfeita.

Se o desejo for de velocidade, uma boa alternativa seria Marcelo Cirino, que não se encaixou muito bem ao Flamengo.




Gostou das dicas? Tem mais dicas de contratações? Não concorda com alguma dica? 
Comente!

Me sigam no twitter: @carol13galo

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Pré-Jogo Galo x Grêmio: MUITO MAIS QUE UM JOGO


Vou confessar uma coisa à vocês: Não foi fácil pensar nessa partida final, pensar no Galo.
Diante da tragédia acontecida com a Chapecoense, o jogo de futebol ficou em segundo plano. Toda comoção e atitudes exemplares que tivemos motivadas pelo trágico acidente nos mostrou mais uma vez que o futebol é muito mais que um jogo. Somente quem vive e respira futebol é capaz de entender!!
Não vamos superar facilmente o ocorrido, mas é importante seguir em frente.

Para ser campeão o Galo precisa de se superar:
  • Não basta apenas vencer, tem que ser por diferença minima de 3 gols.
  • O jogo não é em casa.
  • O retrospecto alvinegro como visitante não é dos melhores
Sabe o que tudo isso significa?

Isso mesmo, NADA!

Somos especialistas em virar, em superar, em sermos campeões!



Giacomini sinaliza o Galo com três volantes, esquema muito similar ao utilizado pelo Grêmio no primeiro jogo desta final. O grupo atleticano se mostra motivado a conquistar o título e a torcida acompanha o otimismo.

A verdade é que estratégias e escalações pouco importam para a torcida nesse momento. A vontade e qualidade do time nos deixam com esperança e eles terão o nosso apoio até o ultimo apito.
No embarque para Porto Alegre, alguns torcedores compareceram e apoiaram o time.

Vamos Galo, EU ACREDITO!!

Me sigam no twitter: @carol13galo




sexta-feira, 2 de dezembro de 2016


Amigos,
Nessa fase de transição entre o luto e a aceitação do que aconteceu com a Chape, busquei uma fuga para tentar, se é que é possível,  amenizar a dor e a angústia que ainda sinto.  Por isso,  resolvi escrever sobre o Galo. E o assunto não poderia ser outro: a contratação do técnico Roger Machado e o que espero do trabalho dele. Dividirei o texto em três  partes.

Primeiro quero falar sobre o treinador propriamente dito. Roger Machado surgiu como técnico ano passado. Pegou uma equipe arrasada pelo Felipão e, com os mesmos jogadores em pouco tempo,  conseguiu transformar um desempenho medíocre em ótimo.
Roger, em que pese não ter conquistado títulos no Grêmio e ainda estar em formação,  é um grande treinador. Tem tudo o que um profissional competente no futebol atual precisa.

Roger entende o futebol, como poucos ainda o fazem, de maneira sistêmica. Sabe que não basta ter apenas bons jogadores. Vai além. Roger tem noção que aliado a um elenco com boas e talentosas peças, um clube precisa de bons profissionais na preparação física, psicológica, fisiológica, logística, comunicação etc. De tática ele entende. Provou isso ao fazer do Grêmio 2015 e 2016 um time que jogava e joga com a bola no pé, propõe a partida, pressiona o adversário e pratica o futebol apoiado, ou seja, além do já falado antes, com triangulações, tabelas, mobilidade e atacando com muita gente.
Além disso, Róger parece ser trabalhador, humilde, focado, estudioso. Vai dar certo? Aí, passamos para a segunda parte do texto. 
A mudança de Marcelo  Oliveira para Róger. Antes de tudo, Marcelo é um cara especial e eu fiquei muito triste por seu trabalho não ter dado certo dessa vez. Futebol tem dessas coisas. Aliás, no Brasil, não só no futebol, sucesso significa vencer. Venceu, fez tudo certo. Perdeu, fez tudo errado. Não estou dizendo que vencer é errado. Isso é assunto para a última parte do texto. Ao contrário, vencer sempre é certo. Mas saber COMO se vence e COMO se perde é condição primária para saber o que fazer no passo a ser dado em seguida. Sem essa consciência, perde - se tempo, energia e talento.
Digo isso porque Marcelo em suas entrevistas sabia dizer exatamente as causas das derrotas do Atlético: "falta de uma ideia coletiva, organização para defender e atacar, espaçamento da equipe etc." Porém, nosso querido Pacote, mesmo detectando, não conseguia consertar. Róger, no Grêmio, que é a referência que temos,  conseguia detectar as inconsistências da equipe e conserta - las. E sabia porque treinava. Os treinos de Roger, a exemplo do que é feito na Europa Simulam as situações de jogo. São treinos intensos e não os obsoletos rachões. Time que treina muito as situações de jogo sabe, nas partidas, como resolvê - las.
Torço muito para que nosso novo treineiro consiga aqui colocar em prática o que de melhor se vê nas equipes mundiais. Que faça aqui do nosso Galo uma equipe intensa, atacando e defendendo, organizada,  com jogadores que compreendam que quanto mais rápido dominarem a bola e souberem o que com ela fazer, mais rápido chegaremos ao gol adversário. Se vai ser 4-2-3-1 atacando e 4-4-2 defendendo,  como o Marcelo tentou aqui, não importa. Imprescindível é que nossa equipe tenha uma idéia de jogo, treine bastante, se organize dentro de campo e consiga as vitórias.  Se elas virão, só o tempo dirá. 
E, por falar em tempo, finalizo com a terceira e última parte do texto.
Roger precisará de tempo para fazer isso. Não adianta a Diretoria agir como agiu com Autuori, Aguirre e Marcelo Oliveira. É preciso dar tempo como foi dado à Cuca e Levir e, não por coincidência, conseguimos Libertadores, Recopa e Copa do Brasil na mão dos dos técnicos que tiveram tempo para trabalhar.
Além da diretoria, jornalistas estarão preparados para entender da mesma forma? Deixo aqui a questão.
Também,  jogadores, que aqui no Brasil, em regra, costumam achar que mandam nos clubes e fazem beicinho quando não concordam com as idéias do treinador, precisam comprar e acreditar no projeto do Róger. O papel dos mais experientes será fundamental.  Fred, Victor, Fábio Santos,  Robinho, Leonardo Silva, Erazo, Donizete, Rocha ... contamos com vocês.
Por último, ainda que seja um assunto delicado, a Massa precisa ajudar e não crucificar o treinador em caso de derrota para o Tricordiano.
Diante de tudo, finalizo dizendo que Confio no Roger. Ele, além da experiência de vestiário, tem técnica,  metodologia e conhecimento. Deixemos ele plantar as sementes. Bons frutos virão com o tempo.

Por @pauloazulaybh